Síndrome de Burnout: como seu RH pode vencê-la

Síndrome de Burnout ou Síndrome do Esgotamento Profissional é um distúrbio emocional com sintomas de exaustão extrema, estresse e esgotamento físico. A principal causa da doença é justamente o excesso de trabalho.

Por que você deve se importar:

De acordo com a International Stress Management Association (ISMA-BR), o Brasil é o 2º país com o maior número de pessoas com Síndrome de Burnout.

  • Ainda segundo a ISMA-BR, 72% dos trabalhadores brasileiros têm sequelas desencadeadas pelo estresse.
  • Desses 72%, 32% sofrem de burnout, porém 92% das pessoas com burnout continuam trabalhando.

Se o RH não fizer mudanças na nova maneira “normal” de trabalharmos, consequentemente, iremos enfrentar a maior crise de esgotamento da história.

Apesar das notícias positivas sobre o fim da pandemia devido ao avanço da vacinação, ainda somos bombardeados com informações sobre alta taxa de desemprego e incertezas econômicas.

Isso acaba impactando quem está empregado, mas infeliz com o trabalho.

Embora o sentimento de boa sorte por ter um emprego impeça o funcionário de pedir demissão, ele não os impede de sofrer de fadiga, estresse com o isolamento causado pelo trabalho remoto, nem da crise de esgotamento.

Por isso, é necessário repensarmos a nova forma “normal” de se trabalhar.

Segundo pesquisa realizada pela Oracle e Workplace Intelligence com 12 mil funcionários de 11 países, as pessoas nunca estiveram tão estressadas e ansiosas.

Ainda segundo a pesquisa, os brasileiros estão trabalhando 40 horas a mais por mês, além das horas que faziam antes do modelo remoto.

Claro, o “novo normal” tem suas inúmeras vantagens: menos tempo se deslocando, refeições caseiras e, supostamente, mais tempo para família.

Mas será que isso é realmente a realidade da maioria dos brasileiros?

A realidade dos novos modelos de trabalho

Muitos dizem estar experimentando exatamente o oposto, trabalhando muito mais horas do que o normal, frequentemente incapazes de sair da frente das telas e presos a intermináveis ​​reuniões virtuais.

O uso exacerbado da tecnologia durante a pandemia não apenas confundiu os limites entre a vida profissional e pessoal, como os erradicou completamente, fazendo com que os funcionários considerassem quase impossível se dividir entre esses dois lados da vida.

Bruce Daisley, ex-vice-presidente do Twitter e agora autor de best-sellers sobre bem-estar no local de trabalho disse em uma entrevista:

Uma das coisas que impactaram o trabalho remoto é que economizamos parte do nosso tempo de deslocamento e o superamos. Ou seja, estamos trabalhando mais 45 minutos todos os dias, além das horas que fazíamos anteriormente. Isso pode acabar causando a maior crise de esgotamento do século.

Bruce Daisley, ex Vice-Presidente do Twitter

A PwC entrevistou recentemente executivos americanos e descobriu que 31% estavam preocupados com o impacto da pandemia em seus funcionários.

Isso correspondia a mais do que o dobro da preocupação com a confiança do consumidor. Inclusive, 72% deles disseram que estariam pensando em aumentar os benefícios direcionados ao bem-estar de seus colaboradores.

Enfim, como as empresas e os departamentos de RH podem proteger seus funcionários dessa crise de esgotamento que se aproxima e manter os novos modelos de trabalho remoto?

Dicas para lidar com a Síndrome de Burnout

1. Incentive e motive seus funcionários

Empresas dependem da motivação de seus funcionários para superar a crise causada pela pandemia de Covid-19. Porém, mantê-los motivados e engajados com tanta coisa acontecendo pode ser difícil. Portanto, os níveis de produtividade dos funcionários estão caindo significativamente.

O RH tem papel essencial para manter uma rotina de trabalho produtiva. Por isso, priorize seus benefícios de saúde e bem-estar, e considere incentivos para acompanhar seus funcionários durante este período desafiador.

Logo após a maratona que foi a pandemia, seus funcionários precisarão de combustível e estabilidade para levar a empresa até a linha de chegada.

Conheça a BenêUp, pacotes de benefícios focados em saúde e bem-estar para Startups.

No cenário atual, pode ser difícil dar uma grande festa de Natal ou oferecer um grande bônus de fim de ano, por outro lado, isso não significa que seus funcionários ou o trabalho e o esforço incansáveis durante essa crise ​​devam passar despercebidos.

Considere reduzir o horário de trabalho ou fornecer dias extras de folga durante as festas de final de ano.

Veja mais sobre o assunto: Campanhas de incentivo: 8 lições para motivar sua equipe

2. Defina metas realistas em conjunto

Funcionários trabalham mais quando não têm certeza do que se espera deles. Lembre-se que o excesso de trabalho é um dos maiores motivos para a Síndrome de Burnout.

Seus colaboradores precisam sentir que estão no caminho certo, e uma ótima maneira de garantir que todos sejam o mais produtivos possível é definindo metas realistas de forma colaborativa.

Incentive seus gestores a construir metas conjuntas com seus times. Monte calendários e defina tarefas e cronogramas, que possam ser acompanhadas por todo o time e envolva-os no processo de gestão do tempo.

Desta forma, você pode ter uma noção melhor de quanto tempo cada indivíduo levará em uma tarefa, e também uma ideia melhor do que funcionários estão fazendo.

Criando um cronograma realista, você também evita que os funcionários gastem muito do seu tempo livre em projetos de trabalho. Além disso, você evita o bombardeamento de tarefas “para ontem”.

O ideal é manter todas as atribuições dentro do horário de trabalho previamente estabelecido.

3. Seja flexível com o horário de trabalho

Embora horários de trabalho pré-definidos deem à sua empresa uma rotina e estabilidade, eles podem acabar atrapalhando o bom equilíbrio entre vida pessoal e profissional de seus colaboradores.

Para funcionários com filhos e outros compromissos fora do trabalho, haverá momentos em que precisarão de alguma flexibilidade no horário de trabalho.

Afinal, com a liberdade para realizar suas tarefas no próprio tempo, seus funcionários serão mais produtivos e felizes nas horas de trabalho, reduzindo a probabilidade de esgotamento e aumentando as entregas de qualidade.

4. Crie um clima organizacional positivo e progressivo

Assim como você investiria em decoração de escritório e móveis ergonômicos no escritório para criar um ambiente onde seus funcionários se sentissem confortáveis ​​para trabalhar, é necessário investir em novos móveis, tecnologia e softwares de qualidade, para permitir que seus colaboradores sejam mais produtivos também no modelo remoto.

Ao oferecer equipamentos e ferramentas mais eficientes ao seu time, consequentemente você evita o esgotamento, permitindo que ele desempenhe melhor sua função e assim traga os melhores resultados para a sua empresa.

5. Não tenha medo de mudanças

Muita coisa mudou com a transformação digital. Não tenha medo de mudar e adaptar sua empresa a novos modelos de trabalho.

Cada funcionário terá um jeito diferente de reagir e responder ao trabalho remoto.

Esta é uma situação nova para todos, então é totalmente compreensível que você precise dar um passo para trás, refletir e mudar os procedimentos à medida que avançar.

O objetivo de RH é obter o melhor das pessoas em qualquer situação, portanto, dedique um tempo para descobrir como sua equipe trabalha e evite uma crise de esgotamento.

Leia mais: Saúde mental na pandemia: como ajudar sua equipe?

Tópicos deste artigo

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Posts
Relacionados
Gostou?
Compartilhe!
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on facebook
Share on email
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter